Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias avulso

Triste

Janeiro 15, 2018

Fico triste, às vezes.
Não é sempre,
sempre é grande de mais

para ser somente tristeza. 

Mas, às vezes,
assim de tempos a tempos,
visto-me de melancolia e danço,
só assim,
numa homenagem nua e bruta
ao triste que há em mim.

E não é sempre,
sempre é imenso,
é às vezes,
quando cá dentro me sufoco de mim, e então preciso de ser chuva e trovão,

areia fininha entregue a furacão.

Não há causa óbvia,
tristeza é menina órfã,
mas é grande, soberbo, gigante,
este arrebatamento
que, às vezes,
resolvo trazer para mim.

Pode ser sol que brilha longe demais,
ou aguaceiro que morre a tentar chover.
Pode ser brisa morna em vésperas de lágrima,
ou gelo gelado em dia de verão.

Pode ser tudo, sendo nada,
porque tudo é infinito
e o nada não cabe em mim.
Mas fico triste, às vezes.
Afogada, entregue, derramada
na dança triste do assim assim.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D