Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias avulso

Fome

Abril 12, 2018

Eis-me aqui sentada no cume do sonho, linha ao fundo que se estende até o fim que eu quiser.

Aqui sou rainha sem trono do meu destino.

E agora? Faço o quê?

Ignoro os sinais do tempo que me atravessam e rasgam, não a carne, honestamente, e perdoem-me a bestialidade, que se foda a carne.

É a alma que me atormenta, é dela que vivo, que respiro, a cima de tudo, é-me tão palpável,

a alma bruta que há em mim,

que posso toca-la, trinca-la, mordê-la. É alma aquilo que sou, e este é o grande tormento dos meus pesadelos.

Então agora, aqui sentada no topo do mundo feita onda no mar, destino ao fundo acenando-me em vénia, elevo as mãos no ar, agarro com força o céu inteiro, e engulo-o.

Assim.

Todo por inteiro num só trago.

Nesta era que vivemos, tão rápida e instantânea, tão fora de prazo findo o segundo, preciso imensamente de um pouco de céu. E como não sou de meias medidas, agarro-o com as minhas duas mãos e tomo-o todo,

num só enorme beijo

para mim.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Ana sem saltos 14.04.2018

    Ainda bem que gostou caro Piaf. Obrigada!
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Mais sobre mim

    foto do autor

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D