Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Histórias avulso

Adeus em tons alfacinhas

Julho 01, 2017

Sentada na popa do navio, observo, ofegante, o quadro que o mundo me dá, ali, visto do lado de quem se vai. E ainda só pressinto,

não sinto,

as cores, as formas, os cheiros. Bebo tudo sôfrega.
É triste e melancólica a imagem que em mim carimbo, ali, em cheiro profundo de rio e adeus.

Acima da colina e do castelo, engolido em molhos verdejantes de árvores, desenham-se, aleatórias e desordenadas, nuvens em explosões de branco e azul e cinzento. 
E a sensação primeira, no balançar da maré, é tão somente de enjoo, aquele que faz prever a chuva que cai sem cerimónia, em soluço do céu.

Expiro-te Lisboa.

Ao fundo, espalhadas no chão, as casas asseguram-me, então, uma espécie de paz, num contraste absurdo com o caos escuro de rio e nuvem. Despontam brancas e amarelas e grandes e pequenas, todas quentes, todas diferentes, num amontoado morno e feliz de lares. 
E respiro, então,

Inspiro-te Lisboa,

cidade quente, branca e brilhante. 
Sei que me vês, ao fundo, sei que me acenas em despedida de maresia. E eu bebo-te toda, cidade que me viste menina, nesta obra em aguarela de alma.

E cravo, cá dentro, todas tuas curvas,

Lisboa menina e moça, Lisboa cidade maravilhosa.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D